UMA PROFESSORA NA cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, decidiu honrar os seus alunos que ainda não tinham sido graduados no colégio que frequentavam, realçando a forma como eles haviam deixado a sua marca ali. Falando a cada um deles, contou como a sua própria vida e a da turma fora significativamente marcada. Depois, deu-lhes uma pequena faixa azul, impressa com letras douradas, na qual se podia ler: "Quem sou, deixa marca". A professora decidiu então fazer desta iniciativa um projecto de aula para ver o impacto que o reconhecimento teria na comunidade. A história termina com uma frase importante: "Tu nunca saberás a diferença que um pouco de motivação pode fazer numa pessoa."

Esta iniciativa levou-me a pensar um pouco sobre a importância de nos tomarmos agentes motivadores, pessoas que podem fazer a diferença na vida dos outros através de pequenos incentivos. Por exemplo, um líder pode ser factor de encorajamento para os seus obreiros, mostrando-lhes o quanto aprecia e seu esforço e diligência. O mesmo pode suceder com um pai que encoraja a criatividade do filho, ajudando-o a descobrir áreas de interesse onde possa desenvolver as suas capacidades. Sabemos que pessoas activamente envolvidas e entusiasmadas em qualquer área da vida, são pessoas motivadas. Deixo-vos com alguns exemplos de pessoas que souberam incentivar outros e que nos inspiram nessa "arte".

GENERAL DOUGLAS McARTHUR

Quando McArthur se viu forçado a deixar as Filipinas para trás e, como consequência, os seus homens, para trás durante a II Guerra Mundial, fruto da investida das forças Japonesas que o obrigaram a retirar-se para a Austrália, ao aterrar ali ele fez uma promessa: "Eu estou determinado a voltar". Cerca de dois anos mais tarde, ele voltou de facto, cumprindo o que havia prometido. Nesse entretanto, muitos prisioneiros sobreviveram em condições aterradoras, agarrando-se a esta promessa. Eles encontraram motivação e incentivo para lutar pela vida, porque o seu chefe havia prometido que viria buscá-los. A promessa para o cristão tem um efeito semelhante, tem o poder para encorajar e motivar a prosseguir mesmo quando passa pelas dificuldades: "... Não te deixarei nem te desampararei" (Josué 1:5). Embora a promessa tenha sido feita a Josué, creio que se aplica a nós também.

JOÃO GARCIA

Esteve no estágio da selecção portuguesa de futebol, na cidade da Guarda, a convite do seleccionador nacional para falar aos jogadores sobre como superar dificuldades face aos desafios que temos pela frente. Ele, que já subiu ao cume das oito (8) mais altas montanhas do mundo sem recurso a oxigénio artificial, é, de facto, uma inspiração. E foi certamente pelo seu exemplo de sacrifício, tenacidade, vontade e querer, que Carlos Queirós o convidou para estar diante dos craques e procurar motivá-los.

NEEMIAS

Provavelmente nada sabia sobre como motivar pessoas (no seu tempo o conceito não era sequer conhecido). No entanto, este copeiro de profissão no palácio do rei, foi capaz de galvanizar o povo, apelando para a reconstrução das muralhas. Ele disse: "levantemo-nos e edifiquemos". O incentivo foi: "...para que não estejamos mais em opróbrio". Com isto em mente, o povo "fortaleceu as mãos para a boa obra". (Neernias 2:17,18).

CALEBE

Sendo um dos personagens que mais admiro na Bíblia, encontro nele outro exemplo de motivador. Ele insurgiu-se contra o relatório negativo que trouxe desânimo ao povo, contrapondo com palavras de incentivo: "...não temais o povo desta terra, porque são eles nosso pão. Retirou-se deles a sua defesa, e o Senhor estará connosco; não os temais." (Números 14:9).

PAULO

Ele, que foi um campeão de perseverança na vida cristã, sendo dele as seguintes palavras; "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé" , sabendo da importância de os crentes se manterem na carreira cristã, exortava-os a prosseguirem para o alvo. Eles deveriam manter-se firmes no processo de caminhar diariamente com Jesus até alcançar o objectivo, direccionando todo o pensamento nesse sentido. (Filipenses 3:13-15).

JOSÉ MOURINHO

Ele é mesmo bom naquilo que faz, domina bem a arte de motivar os seus jogadores. A prová-lo estão os resultados da sua carreira, os êxitos alcançados enquanto treinador de futebol. Dizem que um dos factores do sucesso por detrás da sua carreira profissional ao serviço do futebol, se deve à capacidade de motivar os jogadores, de empolgar simultaneamente a massa associativa dos clubes por onde passa. O livro sobre José Mourinho, "Mourinho a Descoberta Guiada", da autoria de Luis Lourenço, dedica um pequeno capítulo sobre A Motivação (pág. 95). Aí o autor reporta-se a um jogo entre Porto e Benfica, em que Manuel Vilarinho na altura presidente do Benfica, deu uma entrevista em que dizia "ter sonhado" que a sua equipa iria vencer esse jogo por 3-0 no Estádio das Antas, para evidenciar a sua "capacidade motivadora. E o que fez Mourinho? Não resisto a transcrever na íntegra a forma como reagiu: "Quando Vilarinho tomou público o seu sonho pensei de imediato: Ai está a provocação de que preciso para aguçar o orgulho dos meus jogadores. Mandei imediatamente fazer uma fotocópia da entrevista do presidente do Benfica e coloquei-a na parede do balneário das Antas toda a semana, para que ninguém se esquecesse do sonho de Vilarinho. Aos jornais disse apenas que na nossa casa ninguém nos ganha por 3-0. E fomos para o jogo de alguma forma espicaçados." Resultado, o jogo terminaria favorável ao Porto por 3-2.

JESUS

 É interessante pensar como o Mestre motivou os seus discípulos. Em primeiro lugar, incutiu-lhes desde cedo, neles o sentido de valor, expresso de forma inequívoca através do Seu amor para com eles. Deste modo, estabeleceu também o fundamento para o exercício de autoridade. Como resultado, o Seu amor motivou-os a amá-Lo, a segui-Lo e a sacrificarem a sua própria vida pelo ideal do Evangelho. É isto que o amor de Cristo faz, "constrange-nos" ., logo impele-nos a fazer algo (II Coríntios 5:14). David Livingstone, o bem conhecido missionário e explorador, admitiu que foi o "amor de Cristo que o constrangeu a viver e a morrer por África". Em segundo lugar, Jesus incutiu também nos discípulos sentido de propósito e de realização, quando lhes deu a Grande Comissão.

Vivemos dias em que um significativo número de pessoas se sente desmotivada pelos mais variados motivos. Até mesmo os cristãos às vezes poderão não ter a motivação desejada para enfrentar certos desafios ou situações com que se defrontam . Têm, no entanto, a força do Espírito de Deus que os conforta e anima, os incentiva a prosseguir, podendo dele socorrer-se sempre que precisem. E é esse mesmo Espírito que habita em nós, que deseja usar-nos para sermos bênção e edificação, para sermos influência na vida das pessoas que se cruzam connosco. Para tal, precisamos de estar atentos às suas necessidades.

Abel Tomé