Nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1988, em Calgary, no Canadá, Michael "Eddie" Edwards, mais conhecido por Eddie a Águia, tornou-se o primeiro atleta britânico a representar o seu país na modalidade de saltos em ski.

Não ganhou qualquer medalha, sendo último classificado, tanto na categoria de salto de 70 metros como na de 90 metros, mas ficou famoso como exemplo de perseverança. Além de alguns quilos de peso a mais para esta modalidade, na infância o atleta teve de usar aparelhos nas pernas a fim de corrigir problemas nos seus fracos joelhos. Sofria ainda de hipermetropia (dificuldade em ver ao perto) e era oriundo de classe social desfavorecida, não dispondo de quaisquer meios de financiamento ou patrocínios. No entanto, classificou-se para os Jogos Olímpicos enquanto trabalhava como estucador, chegando a residir temporariamente num hospital psiquiátrico finlandês por falta de meios para arrendar alojamento.

Rodado em 2015, o filme “Eddie a Águia” baseia-se na história e lição de vida deste atleta que realizou o sonho de participar nos Jogos Olímpicos contra todas as adversidades físicas e económicas mas, sobretudo, as palavras desencorajadoras do seu pai.

A pior coisa que nos pode acontecer não é dizerem-nos que não podemos fazer algo, que não somos capazes ou que não temos a fibra que é necessária, mas sim acreditarmos nisso!

O poder da vida e da morte reside na língua, refere o livro de Provérbios (1). Então, qual deve ser a nossa atitude face a esse género de comentários? Adotar um espírito de auto-piedade, remetermo-nos a um canto para lamber feridas ou usá-los como rampa para chegar mais além? Certamente não podemos controlar aquilo que de desagradável vem à nossa vida, mas podemos controlar aquilo que sai, a nossa atitude perante a adversidade.

 

ZONA DE CONFORTO

Há tempos encontrei um amigo no metro de Lisboa e, durante os 5 escassos minutos em que viajámos juntos, perguntei-lhe como estava de sonhos e projetos. "Não há!" replicou, encolhendo os ombros. "É chegar a casa e jogar um pouco no computador enquanto a mulher vê as novelas...".

É essencial questionarmo-nos a nós mesmos, e aos outros, por sonhos e projetos, pois são eles que imprimem uma dinâmica de criatividade, crescimento e progresso na nossa vida, além de constituírem um antídoto contra a rotina e estagnação.

Numa parábola (2), Mateus apresenta-nos 3 administradores a quem o seu patrão confiou a responsabilidade de gerir os seus bens durante uma ausência prolongada. Dois deles não se contentaram com o que tinham. Sonharam com mais e esforçaram-se, duplicando os recursos que lhes tinham sido confiados inicialmente.

O terceiro administrador optou por não arriscar, perdendo uma oportunidade única. Conformou-se com o que tinha, acabando sem nada. Fazer o sonho acontecer implica saír da zona de conforto e correr alguns riscos. Sujeitamo-nos a ser incompreendidos, ridicularizados, desprezados ou ignorados, mas jogar pelo seguro pode ser um risco muito maior.

É importante identificarmos os nossos sonhos e paixões, aquilo que nos move e faz vibrar, pois muito provavelmente é aí que se enquadram os nossos dons, aquilo em que somos especiais e que, de forma inata, sabemos fazer como mais ninguém.

Timidez, preguiça ou prioridades invertidas podem colocar os dons "na gaveta" e manter-nos uma vida inteira à margem de um futuro brilhante e com propósito, desenhado à nossa imagem. Para que isso não aconteça, eis alguns argumentos.

 

INVESTIMENTO INTELIGENTE

1. Devemos a nós mesmos a oportunidade de cumprir o nosso propósito. Quem sabe, a oportunidade de trabalharmos naquilo que gostamos, de vivermos a nossa paixão e ainda sermos pagos para isso.

2. O que é isso que tens na mão?

Esta não foi uma pergunta tola e escusada (3), mas serviu para focar a atenção de Moisés em algo que parecia insignificante: uma vara de madeira. Este foi o instrumento nas suas mãos para abrir um caminho (através do Mar Vermelho) onde mais nenhum outro existia. Aquilo que temos à mão pode muito bem ser um meio para desbravar uma nova carreira.

Exemplos? Nos anos mais negros da crise de desemprego em Portugal, lembro-me muito bem dos noticiários da TV divulgarem reportagens acerca de pessoas atingidas por esse flagelo, cuja necessidade as levou a descobrir talentos que elas próprias desconheciam ter, os quais lhes permitiram recomeçar do zero e reconstruír as suas vidas numa nova direção.

 3. Temos responsabilidade para com as pessoas que integram a nossa esfera de influência.

Quer encaremos os nossos dons como um simples passatempo ou como uma fonte de rendimentos, não devemos ignorar que através deles podemos influenciar outras pessoas. Retê-los ou negligenciá-los significa negarmo-nos a nós mesmos uma oportunidade e impedir que aqueles que integram a nossa esfera de influência sejam beneficiados por eles.

Por outro lado, que deceção para as gerações seguintes se constatarem que todo o nosso potencial ficou encerrado na nossa curta existência e que as privámos de um legado - seu por direito - que lhes poderia ser muito útil.

 4. Prestação de contas

 «E, muito tempo depois, veio o senhor daqueles servos e fez contas com eles.» (4)

O dia chegou em que os 3 administradores tiveram que dar contas da sua gestão e também cada um de nós terá que prestar contas do bom ou mau uso dos nossos dons. Não se pretende aqui lançar sentimentos de culpa ou condenação. Mas, como mordomos que somos, é um alerta para a responsabilidade que temos de investir tempo nos dons e de colocá-los ao serviço do próximo e da comunidade, pois só através da partilha cumprirão cabalmente o seu propósito.

5. Extraordinário, raro, único, irrepetível

Em cada geração existem milhões de pessoas com dons semelhantes mas com expressão diferente de indivíduo para indivíduo, o que os torna únicos. Existem muitos profetas registados nos textos bíblicos, mas como Moisés se diz que não houve nenhum outro, nem antes nem depois. Também o rei Salomão é referido pela sua sabedoria como a de nenhum outro homem, antes ou depois dele. Cada ser humano é irrepetível e a forma como expressa os seus dons também. Estes são o meio através do qual Deus pode realizar coisas extraordinárias, raras, únicas e irrepetíveis na História.

 

 O QUE POSSO FAZER?

1 . Gerir o meu tempo. Se queremos que os nossos dons floresçam, uma gestão sábia do tempo é disciplina obrigatória, caso contrário podemos facilmente perder-nos com distrações fúteis. E daqui, passamos diretamente para a questão das prioridades.

2. Rever prioridades. Alguma coisa terá que ficar para plano secundário. Se não investirmos nos nossos dons, estes estagnarão. Investigando um pouco 24 horas da vida de personalidades como Beethoven, Balzac, Maria João Pires ou Marie Cury, percebemos que a esmagadora maioria do seu tempo era devotada à sua grande paixão, fosse ela a literatura, música ou outra. Não temos porque ser génios ou celebridades, mas podemos aprender algo com o seu exemplo, adaptando-o à nossa vida particular.

3. Estudar. A inscrição num curso ou escola é uma forma de desenvolver as nossas aptidões na área que desejamos. Quem não tem essa possibilidade, pode sempre transformar-se em autodidata e aprender ao máximo através de livros, publicações e conteúdos disponíveis na internet.

4. Expor-me a quem tem mais experiência. Se queremos crescer e desenvolver os nossos dons, os relacionamentos são imprescindíveis. Trocar conhecimentos e experiências com amigos, participar em seminários e conferências relacionadas com a nossa atividade ou frequentar exposições vão contribuir definitivamente para o nosso crescimento.

5 . Ficar aberto à crítica. Por vezes não é fácil submeter o nosso trabalho ou criação à apreciação de outras pessoas pela expectativa que isso cria em nós. A reação do outro lado é sempre uma incógnita mas, sobretudo, porque significa permitir o acesso de outra pessoa a áreas da nossa vida que podem ser muito íntimas. Contudo, submeter-nos à avaliação e crítica de profissionais experientes será sempre uma preciosa mais-valia.

6. Ser intencional. “Tu nunca vais obter as ligações certas se não estiveres no lugar certo!”, prega Mário Rui Boto. Cabe-nos a iniciativa de nos posicionarmos estrategicamente em circunstâncias que nos ajudem a crescer. Temos que ser intencionais em nos relacionarmos com pessoas que nos desafiem e na participação em eventos chave, onde não só poderemos aprender algo novo e trocar experiências, mas também estabelecer ligações com o potencial de nos colocar na direção certa e impulsionar o nosso crescimento.

7. Não desanimar. Os resultados iniciais nem sempre são os desejados. Tudo o que é grande começa pequeno. Uma maratona é feita de milhares de pequenos e sucessivos passos. A chuva apenas cai após todo um processo de evaporação e condensação. Uma colheita só se obtem semente após semente lançada à terra. Contrariedades e obstáculos são inevitáveis mas uma atitude correta perante os mesmos é decisiva para os ultrapassar.

A igreja pode e deve ser um viveiro onde os talentos de cada pessoa encontram espaço e oportunidade para amadurecer e florescer. Foi justamente isso que nomes como Whitney Houston na música, C. S. Lewis na literatura ou Michelangelo na escultura, descobriram.

Quando alinhamos o sonho e paixão que nos movem com os nossos dons, estes são catapultados para além da nossa vida pessoal, beneficiando familiares, amigos e até comunidades inteiras. Um dom é uma dádiva e, como tal, só cumpre integralmente o seu propósito quando o partilhamos com outros. Quando isso acontece, acordamos motivados, sabendo que o nosso trabalho não é em vão. Percebemos porque estamos aqui. Haverá maior recompensa?

1) Provérbios 18:21;  2) Mateus 25:14-30;  3) Êxodo 4:2; 14:16, 21;  4) Mateus 25:19

 

Carlos Pinto Leite

Avô, blogger e fotógrafo

http://a-ilha-do-tesouro.blogspot.pt

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.