Uma história de amor

Chamo-me Joel, nasci em Aileu, uma povoação nas montanhas de Timor Leste, no dia 9 de Dezembro de 1979. Tenho cinco irmãs e um irmão e crescemos como uma carinhosa família cristã. Os meus pais são crentes, confiam em Deus e sempre procuraram servi-l’O. Cresci na cidade de Díli, onde vivi com a minha família, e foi aí que estudei, mas em 1999 tivemos um tempo difícil em Timor Leste e fugimos para Kupang, na Indonésia. Fixámos residência e aí concluí o ensino secundário, numa escolar técnica. Depois trabalhei como mecânico. Toda a minha família esteve sempre muito envolvida na igreja - o meu irmão Gaio e eu éramos músicos e as nossas irmãs cantavam e ensinavam na Escola Dominical.

Em 2002 voltei a Timor Leste, uma vez que se tinha tornado uma nação independente. Procurei encontrar ali uma ocupação mas não consegui nenhum emprego com carácter permanente. Por isso, dediquei-me a fazer biscates para amigos e família, na reparação de carros ou em construção civil.

Em Agosto de 2006, aconteceram de novo tumultos em Díli e a minha família e eu corremos, em fuga, para o distrito de Same, 120 km a sul da capital, Díli. Durante a viagem, adormeci no banco de trás do carro onde seguíamos, por isso não me apercebi do que aconteceu, mas mais tarde soube que o meu tio, que conduzia o veículo, adormeceu e o carro foi contra uma grande árvore. Quando recuperei a consciência estava no Hospital de Same, tendo sido transferido para o de Díli. Ali, o médico deu-me a notícia terrível de que eu nunca mais iria conseguir andar, devido à lesão sofrida na espinal medula. Não podia acreditar que iria passar o resto da minha vida numa cadeira de rodas. Em desespero, pedi ajuda aos médicos tradicionais, mas ninguém conseguiu ajudar-me a andar de novo.

Esta circunstância deixou-me muito triste, ao pensar que nunca mais seria independente e que talvez nunca mais pudesse ir a outros lugares ou fazer as coisas por mim próprio. Comecei a orar e a depender apenas de Deus, porque eu sei que para Deus nada é impossível.

Nesse momento, quando eu estava no hospital, a minha família não podia visitar porque havia combates violentos em Timor Leste. Só o meu pai é que pôde ficar a cuidar de mim. Assim, eu sentia-me muito só, triste e com medo de um possível ataque de alguém no hospital Mas graças a Deus, porque Ele sempre nos protegeu, a mim e ao meu pai, enquanto estivemos no hospital. A minha família sempre orou e me apoiou em muitos aspectos, e dando-me ânimo.

Um dia em que eu ainda estava deitado na cama, no hospital em Díli, duas pessoas de uma ONG em Dili chamada ASSERT vieram visitar-me e foram de grande incentivo para mim. Primeiro, ofereceram-me uma cadeira de rodas. Fiquei muito feliz e grato a Deus por isso. Em seguida, eles organizaram uma formação onde pude participar, durante uma semana. Éramos dez pessoas em cadeiras de rodas e aprendemos como é que pessoas com lesões na espinal medula ainda podem fazer muita coisa por si mesmas.

Senti-me especialmente grato pela visita de um instrutor australiano que também estava numa cadeira de rodas. Ele animou-me muito e assegurou-me que eu poderia tornar-me independente outra vez, mesmo que nunca mais voltasse a andar.

Durante esse tempo, senti-me muito animado com uma história da Bíblia, em João 9:1-12. O homem que nasceu cego. Percebi que Deus permitiu que o homem nascesse cego, de modo que a obra e a glória de Deus pudessem ser manifestadas na sua vida. Gostei disso, porque me sentia como aquele homem e percebi que através de mim Jesus poderia  mostrar o Seu milagre a outras pessoas e trazer glória a Deus.

Trabalhei num projecto breve, focado no acesso de pessoas a condições de saneamento básico e higiene (WASH), e mais tarde na Leprosy Mission Timor Leste (TLM-TL). uma organização cristã que trabalha com as pessoas com deficiência, especialmente com pessoas afectadas pela lepra.

Sempre pensei que nunca me iria casar por causa da minha deficiência e da maneira como as pessoas me viam. Mas Deus tinha outros planos. A primeira vez que me encontrei com a Helen foi em Maio de 2011, no escritório da Leprosy Mission Timor Leste (TLM-TL), onde eu trabalhava, onde  la veio visitar a instituição e fazer uma avaliação. Mais tarde, fui convidado a ir à Austrália e partilhar a minha história numa Conferência, e estivemos juntos de novo. Começámos a gostar um do outro e estabeleceu-se uma amizade muito boa. Começámos a namorar, tendo casado em Dezembro de 2013.

Eu sei que Deus tem um grande plano para a minha vida e deu-me uma esposa bonita e bondosa que confia em Deus e gosta de ajudar outros. Agora vivemos na Austrália porque a minha esposa trabalha aqui e estamos na expectativa daquilo que Deus quererá fazer connosco no futuro!

______________________________________________________________________________

O meu nome é Helen e a jornada em que Deus nos tem conduzido, primeiro separadamente e depois juntos tem sido incrível! Quando conheci o Joel, fiquei impressionada com a gentileza do seu carácter. Contou-me a sua história, naquela altura, e senti-me tocada pela sua resiliência, o seu optimismo e a sua confiança em Deus, ajustando-se à vida, apesar da sua limitação.

Depois de muitos meses de contacto, pela internet e pessoalmente, eu orei, mas tinha tantas perguntas dentro de mim: Onde é que vamos viver? Será que vamos poder ter filhos? O que é que as pessoas irão pensar? Será esta a decisão certa? Conversei com amigos próximos e percebi que estas não eram questões de resposta fácil. Contudo, senti uma paz profunda quando tomei a decisão de aceitar o seu pedido de namoro e de casar com ele e, desde então, essa paz nunca mais me deixou. O carácter do Joel e a sua confiança em Deus são tão sólidos que compreendi que iriamos enfrentar juntos os desafios que surgissem. Deus abriu caminho onde parecia não haver caminho e hoje sinto que a nossa relação é apenas uma pequena parte do grande plano que Deus tem para nós. Ele tocou o meu coração de modo a ver mais o mundo de acordo com o Seu sistema de valores e mesmo sabendo que haverá desafios a enfrentar, sei que juntos com Deus seremos capazes de concretizar tudo aquilo que Ele pedir de nós!

Joel e Helen Fernandes