Homens ADSL descem o rio Zêzere

Descer o rio Zêzere em Caiaque, entre a barragem de Castelo de Bode e a localidade de Constância, numa distância de aproximadamente onze quilómetros, foi o motivo que levou 19 homens a juntarem-se, no passado dia 22 de Junho, naquele que seria um tempo de convívio muito apreciado por todos, uma experiência a repetir.

A aventura começou cedo pela manhã, rodeada de expectativa e com uma temperatura ambiente a prometer um dia de intenso calor. A concentração deu-se na área de serviço em Aveiras, dali partindo para Vila Nova da Barquinha, um local tranquilo e muito agradável, arborizado, com parque para estacionamento, espaço para piquenique, grelhadores, a escassos metros das margens do rio Tejo.

Para alguns de nós, como foi o meu caso, que nunca ali havíamos estado, era de facto o sítio ideal para passar uma parte do dia de forma descontraída. Montado o “arraial”, uns dedicaram-se a jogar à bola, outros aproveitaram para pôr as notícias em dia, outros ainda estiveram à conversa à sombra de uma esplanada, saboreando uma bebida refrescante. Seguiu-se o almoço, um apetitoso churrasco, confeccionado a preceito por alguns homens que ali evidenciaram interessantes dotes de culinária.

Já agora, se pretende ainda durante o período de férias tirar um tempo para estar com a família, eventualmente com alguns amigos, sugiro que vá até Vila Nova da Barquinha. Se tem filhos, asseguro-lhe que vão gostar da ideia de ir aquele lugar, onde não faltam escorregas e espaço verdejante para poderem brincar.

O próximo ponto de paragem seria Constância, a base de onde haveríamos de partir até à margem do Zêzere, para aí iniciarmos à descida do rio. Entre Vila Nova da Barquinha e Constança, houve ainda tempo para uma breve “escala” junto ao Castelo de Almourol, uma oportunidade que aproveitámos para fazer a fotografia em grupo. Este e outros instantâneos podem ser observados na secção galeria.

Finalmente chegou a hora de entrar nos caiaques, duas pessoas em cada um, equipadas com os respectivos coletes salva-vidas, seguidas pelo olhar atento de dois instrutores que fizeram o acompanhamento ao longo da descida. Fruto de uma descarga efectuada recentemente, o rio tinha um caudal que permitia navegá-lo sem que houvesse necessidade de, em algum ponto, ter que carregar com os caiaques. A única paragem que estava prevista seria alguns quilómetros mais adiante, para retemperar forças, comer uma peça de fruta, dar um mergulho.

Abel Tomé

Deixamos aqui o testemunho de alguns dos participantes:

 

“Muitas vezes a vida tem sido equiparada ao curso de um rio devido às suas sinuosidades e aos percursos por vezes em turbilhão, mas navegar esse rio acompanhado de verdadeiros amigos, daqueles que continuam a remar mesmo quando nós fraquejamos e nos ajudam a ganhar direção quando nos atrapalhamos na altura da tomada de decisões, faz o percurso substancialmente mais apreciável. Foi bom partilhar a aventura da descida do rio com 19 AMIGOS e é bom saber que na aventura do meu "rio" não estou sozinho.

Humberto Carvalheiro

 

“Meus amigos, quanto às dores musculares, digo-vos que valeu a pena suportá-las.

Mas, muito mais importante foi apreciar aquela paisagem, quem a criou, e depois nós termos o privilégio de poder desfrutar da mesma. O convívio foi excepcional! Quando se repete? Um abraço a todos.

Alberto Capucho

 

"Gostei muito do passeio que realizámos, iniciando-se com a franca camaradagem que sempre existe entre os homens, com um excelente almoço num sítio fantástico e a grandiosa descida dos rápidos do Rio Zêzere, no contacto com a natureza bruta e os banhos de água gelada. Foi muito bom para voltar novamente..."

Daniel Lourenço

 

“Fiquei com a sensação que os homens ADSL prometem voltar com mais aventura e emoção. Quando acontecer, faço questão de estar presente novamente, poder dar o meu contributo, nem que seja a fazer umas fotografias. Já agora, se me permitem a sugestão, que tal, da próxima vez, conduzir não um caiaque mas um Kart, algures nos arredores de Lisboa?”.

Abel Tomé