A partir do mês de Fevereiro as aves começam a escolher os locais onde irão construir os seus ninhos. Algumas espécies de aves voltam ao sítio onde fizeram o ninho no ano anterior, outras não. Os ninhos poderão ser construídos nas chaminés ou sob as telhas de casas, os postes de electricidade, sobre as árvores ou em zonas rochosas.

Estes têm habitualmente a forma de uma taça e são fabricados por diversos materiais: barro, palha, pedras, lama. Depois de construído, o ninho é forrado interiormente com material macio e protector, escolhido pelas aves e que pode ser ervas, pelos, penas, lã, fios, cabelos, musgo, e até teias de aranha e a própria saliva da ave, nomeadamente a da andorinha.

Observar as aves traz-nos ainda outros ensinos preciosos em relação à vida pessoal e familiar. Já Jó dizia que as aves dos céus nos ensinarão e nos farão saber  (Jó 12:7).

Tive o privilégio de viver numa pequena aldeia até a idade de 20 anos. Como se aprende  convivendo com a  maravilhosa criação de Deus!

Têm carinho conjugal

Os pombos são descritos, por David como uma ave bela, “sereis como as asas de uma pomba, cobertas de prata, com as suas penas de ouro amarelo.” (Salmo 68:13). Como estas aves são tão carinhosas. Como se beijam!

Ambos, macho e fêmea, constroem o seu ninho, num trabalho diário e harmonioso.

Talvez não saiba que as pombas gemem. Até mesmo o texto bíblico o refere, em Isaías 59:11. Certa vez fui a casa dum amigo ver o seu pombal, de pombos-correios.

Reparei que num canto, estava uma pomba a gemer. Perguntei se ela estaria doente. Foi me dito que ela estava assim triste, porque o seu"marido" tinha ido num voo com outros pombos e nunca mais voltara. Perdeu-se ou foi atacado por uma ave de rapina.

Promovamos as expressões de carinho entre nós, casais. Alegremo-nos juntos e soframos juntos, como “uma só carne.”

Apoiam aos filhos

Ambos chocam os ovos de onde virão os seus filhotes. Ambos cuidam e alimentam os seus filhos. Não delegam no outro essa responsabilidade. Cooperam numa função que entendem como comum, sem entrar em conflito.

Reconhecem a necessidade de proteger os seus filhos a todo o custo, ainda que com esforço ou até sacrifício pessoal. Jesus comparou a Sua solicitude com o povo da cidade de Jerusalém com a dedicação de uma ave para com os seus filhos: “Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos como a galinha ajunta os seus pintos e tu não quiseste.” (Mateus 23:37b)

A forma como Deus protegeu e conduziu o Seu povo é igualmente retratada no exemplo de uma ave: “Como a águia desperta o seu ninho, se move sobre os seus filhos, estende as suas asas, toma-os e leva-os sobre as suas asas, assim o Senhor o guiou; e não havia n’Ele Deus estranho” (Deuteronómio 32:11,12).

São simples

Jesus recomendou aos seus discípulos: “…sede (…) símplices como as pombas” (Mateus 10:16). No seu voo, na sua postura e no seu comportamento, a pomba é conhecida como uma ave simples, autêntica, verdadeira. Não se lhe reconhece astúcia, fingimento, manobras sofisticadas para alcançar algum favor do outro. São elas mesmas

A sofisticação de atitudes, o disfarce de intenções, estratégias que privilegiem a manipulação em detrimento da verdade não honram o nome de Deus, Aquele que “é luz e não há nele trevas nenhumas” (I João 1:5).

Nos nossos relacionamentos sejamos simples e verdadeiros, leais ao compromisso de nos considerarmos e respeitarmos uns aos outros.

Entendem o tempo

“Até a cegonha no céu conhece os seus tempos determinados; e a rola, e o grou e a andorinha observam o tempo da sua arribação: mas o meu povo não conhece o juízo do Senhor.” Jeremias 8:7. Quem conhece a Deus sabe que existe um tempo próprio para todas as coisas e fica atento. Sabe que há tempo para falar, tempo para ficar calado, tempo de plantar e tempo de colher. Move-se segundo a direcção de Deus, procurando não se atrasar nem se precipitar mas caminhar segundo o Seu conselho. É tão importante saber o que fazer como conhecer o momento certo de o fazer. No Salmo 1 diz que o justo dá o seu fruto “na estação própria” (v. 3).

 Saber esperar no Senhor, significa buscá-l’O em oração e aguardar com fé o Seu momento!

 

O ninho é o seu lugar

O ninho é o lugar de conforto, de refúgio, de intimidade e de descanso. É o lugar onde a ave se sente mais segura e confortável. Não vive permanentemente ali mas sabe que aquele é o lugar de regresso, o seu abrigo.

Muitos progenitores têm abandonado o lar, pelos motivos mais diversos, deixando atrás de si uma lacuna, habitualmente maior do que podem imaginar. O seu vaguear, a partir daí, poderá passar por dias amenos, tempestades, tentativas de construção de novos ninhos, decepções. Por vezes ergue-se o desejo de voltar ao ninho, mas o embaraço de fazer o caminho de regresso é maior e impeditivo de uma reconciliação. A Bíblia retrata tal condição desta forma: “Qual a ave que vagueia longe do seu ninho, tal é o homem que anda vagueando longe do seu lugar.” Prov. 27:8 Entendamos qual é “o nosso lugar” e empenhemo-nos em estar lá e oferecer-lhe o que temos de melhor.

 

Dependem de Deus

Certa vez Jesus disse: “Olhai para as aves do céu” e depois explicou o sentido da provisão de Deus sobre as nossas vidas, recomendando-nos que não deveríamos andar ansiosos pelo alimento ou pelo vestuário, pois Ele cuida de nós.

Noutra altura, Jesus afirmou: “Não se vendem cinco passarinhos por dois ceitis? E nenhum deles está esquecido diante de Deus. E até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos.” Lucas 12: 6,7. S

Os recursos de Deus são inesgotáveis. Ele conhece-nos e tem meios para suprir as nossas necessidades físicas, materiais, emocionais e espirituais.

Se Ele cuida das aves, não cuidará de cada um de nós? Renovemos hoje mesmo a nossa confiança n’Ele pois “Aquele que nem o Seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como não nos dará com Ele todas as coisas?” (Romanos 8:32).

http://miguelcoias.blogspot.com/