David nasceu na cidade de Belém, sendo o mais novo dos oito filhos de Jessé. A primeira ocupação que lhe conhecemos é como pastor de ovelhas. O texto bíblico revela que ele exercia essas funções com verdadeira dedicação, expressa num amor e num cuidado extremos. Vamos conhecer melhor esta faceta da vida de David.

Quantas ovelhas eram?

Eliabe, o seu irmão mais velho, disse-lhe certa vez: “A quem deixaste aquelas poucas ovelhas no deserto?” (I Sam. 17:28). Aos olhos de Eliabe o número de ovelhas era insignificante. Certamente não seriam 7000 ovelhas, como tinha Job (Job 1:3). Nem 3000 ovelhas e cabras como possuía Nabal (I Sam. 25:2). Talvez nem chegassem a ser 100 ovelhas como as da parábola que Jesus contou (Luc. 15:4).

Não sabemos quantas seriam as ovelhas que David apascentava, o que sabemos é que “aquelas poucas ovelhas” eram muito queridas pelo seu pastor.

A quem pertenciam?

As ovelhas não pertenciam a David mas sim a seu pai (I Sam 17:15).

Só o Senhor pode dizer, com verdade, “as minhas ovelhas” (João 10:14, 27; 21:15-17; Actos 20:28; I Pedro 5:2).

Nem S. Paulo, que tanto sucesso teve no seu ministério, ousou dizer alguma vez “as minhas ovelhas”. Foi o Senhor Jesus que pagou um bom e alto preço pelas Suas ovelhas (I Cor. 6:20; 7:23; I Pedro 1:18; Apoc. 5:9).

David estava com as ovelhas. Tal é o natural para um pastor (I Sam. 16:19). Para isso fomos chamados. Compare com Gen. 31:38-40; Prov. 27:23.

Quem as apascentava?

David apascentava as ovelhas. Este é o ministério principal do pastor: conduzir as ovelhas a verdes pastos e a águas tranquilas (I Sam. 16:11; 17:15, 34; João 21:15-17; Actos 20:28; I Pedro 5:2). Felizes essas ovelhas, cuidadas por um pastor que cantava e tocava harpa enquanto as apascentava!

Apesar de David ser agora o pajem de armas do rei Saul, continuava a apascentar as ovelhas de seu pai, quanto possível (I Sam. 16:21; 17:15). Ao ter de se ausentar por algum tempo, David assegurou o bem-estar das ovelhas deixando-as ao cuidado de um guarda ((I Sam. 17:20). Tal faz lembrar Moisés na fase final do seu ministério (Num. 27:16, 17). Ele não queria que Israel ficasse como ovelhas sem pastor.

Ao exercerem a função de pastores de ovelhas, certamente tanto David como Moisés tiveram um bom treino para a tarefa maior que os aguardava – serem pastores do povo de Israel.

Com que recursos?

David possuía uma funda mas não servia para usar contra as suas queridas ovelhas. A funda foi utilizada para combater os inimigos: o leão, o urso e, como sabemos, o Golias.

Nem mesmo a usou contra o rei Saul, que várias vezes tentou tirar-lhe a vida, mas ofereceu-lhe sim a música suave de uma harpa que servia de refrigério para Saul (I Sam. 16:23). Ao contrário de David, Saul utilizava a sua inseparável lança (I Sam. 19:9,10; 26:12).

Para as ovelhas, David tinha uma vara e um cajado que as consolavam (Salmo 23).

David faria o mesmo que fez aquele pastor de que falou o Senhor Jesus. Quando finalmente encontrou a ovelha perdida, amorosamente a trouxe sobre os seus ombros ao aprisco.

Quem as defendia?

Era David quem defendia as ovelhas que tinha à sua guarda, pondo em risco a sua própria vida. (I Sam. 17:34-36). Ainda que só livrasse um pedacinho da orelha (Amós 3:12). Era um bom pastor, não era um mercenário. Não fugia perante o perigo. Poderia dizer como Neemias: “Um homem como eu fugiria?” (Neemias 6:11).

O pastor tem que dar conta das ovelhas que estão ao seu cuidado (Heb. 13:17).

É recomendável que o pastor leia de vez em quando a passagem bíblica em Ezequiel 34:1-16. Os versículos 17 a 31 devem ser lidos pelas ovelhas.

Não nos surpreende nada que Deus escolhesse David para ser pastor de Israel. Tão bom foi ele como pastor de ovelhas! (II Sam. 7:8; Salmo 78:70-72)

Curiosidades acerca de David

1 – O seu nome significa Amado.

2 – Era um homem segundo o coração de Deus (I Sam. 13:14).

3 – A sua mãe era uma fiel serva do Senhor (Salmo 86:16 e 116:16).

4 – Por duas vezes lhe doeu o coração. Lendo em I Sam. 24:4,5 teve dor por ter cortado mansamente a orla do manto de Saul. Alguém disse que há alguns que cortam a casaca toda e não sentem dor nenhuma. Terão um coração de pedra? Em II Sam. 24:10 volta a doer o coração a David. Também Paulo tinha uma contínua dor em seu coração (Rom. 9:2).

5 – Aos 30 anos era rei. Lembremo-nos de que José foi governador do Egipto aos 30 anos e foi também com 30 anos que o senhor Jesus se manifestou como o Messias (II sam. 5:4; Gen. 41:46; Luc. 3:21).

6 – David reinou durante 40 anos, à semelhança dos seus antecessor e sucessor: Saul e Salomão (II Sam. 5:4; Actos 13:21 e I Reis 11:42).

7 – Foi considerado o menor. Até o profeta Samuel estava equivocado, julgando que seria Eliabe – o primogénito de Jessé – o escolhido do Senhor para ser rei em Israel. O menor foi o escolhido pelo Senhor para reinar (I Samuel 16:6, 9-11). David também era um desconhecido (I Sam. 17:55, 58). O hino nº 149 do nosso livro de Cânticos diz, com muita razão: “Tem um modo o Senhor/ Que é próprio do amor/Ele usa dos remidos o menor…”.

8 – Duas cidades são conhecidas como as cidades de David: Jerusalém e Belém. David conquistou Jerusalém aos jebuseus e desde aí Jerusalém ficou sendo chamada a cidade de David (II Samuel 5:6,7 e 9). Belém também foi chamada a cidade de David por ser a sua terra natal (Lucas 2:4).

9 – David era prudente. Ele conduzia-se com prudência em todos os seus caminhos, mais do que todos os servos de Saul, portanto o seu nome era mui estimado (I Sam. 18:14 –16 e 30). “Ò reis sede prudentes…” (Salmo 2:10). Leia ainda em Prov. 14:6; 8:15, 18, 33, 35. Disse Jesus: “Sede prudentes…” (Mat. 10:16).

10 – Era grande o amor de pai – David estaria pronto a morrer em lugar de seu filho Absalão, embora tal filho lhe causasse tantos males (II Sam. 18:33). Absalão significa “Pai de Paz”. Infelizmente esse jovem não honrou o seu nome.

11 – David tinha um grande e ardente desejo de construir uma morada para o Poderoso de Jacob. No salmo 132:1-5 está bem patente esse sentimento de David.

12 - Muito semeou e muito colheu. Faleceu com abundância de dias, riquezas e glória (I Cron. 29:1-3, 27 e 28). Encontramos as últimas palavras de David em II Samuel 23:1-7.

Miguel Coias